Se você pensa que investimento imobiliário se resume a comprar imóveis ou salas comerciais e alugá-las ou vendê-las, nós temos uma notícia para você. É possível aumentar sua renda com uma modalidade chamada Fundos de Investimento Imobiliário (FII). Estes são fundos formados por investidores diferentes. O objetivo é investir em negócios imobiliários, em desenvolvimentos ou prontos.

Segundo o Portal do Investidor, esse investimento em empreendimentos imobiliários inclui títulos relacionados ao mercado imobiliário, como letras de crédito imobiliário (LCI), letras hipotecárias (LH), cotas de outros FII, certificados de potencial adicional de construção (CEPAC), e outros que fazem parte da regulamentação.

Como funciona esse investimento imobiliário

O Blog de Finanças Pessoais, Organizze, explica que os fundos imobiliários são uma reunião de grupo de investidores (cotistas) que aplicam em conjunto os recursos em empreendimentos imobiliários. Estes podem ser um shopping, um prédio comercial, um hotel, ou até uma agência bancária. Os participantes possuem um número de cotas proporcionais ao dinheiro que investiu. O retorno disso tudo vem da locação, arrendamento, venda do imóvel e as atividades do setor.

Prós e Contras

Entre os pontos positivos, no Blog de Valor, eles expõe que, ao comprar as cotas, elas podem ser valorizadas com o tempo. Além disso, é muito fácil de investir. Ainda mais se você comparar com a compra de um imóvel. Participar do Fundo de Investimento é bem menos burocrático e ainda diminuem-se os riscos. Outra vantagem é o baixo custo de investimento. É possível participar e comprar ativos investindo pouco. Outro fator de decisão é o fato de que os rendimentos pagos pelos fundos são isentos de Imposto de Renda para FII com mais de 50 cotistas.

As desvantagens incluem que não é possível resgatar o valor aplicado antes de um prazo específico. Uma alternativa para isso é vender na Bolsa de Valores. Outra desvantagem é que a liquidez é mais baixa que investimentos semelhantes.

Este tipo também apresenta riscos. Como, por exemplo, os de mercado de natureza política, econômica e financeira. Isso inclui variações nas taxas de juros, desvalorização cambial e mudanças legislativas.

Saiba mais detalhes neste link do Portal do Investidor. Para mais informações sobre mercado imobiliário e sua próxima casa, acompanhe o nosso blog.